4 lugares que você não pode deixar de conhecer em Recife

olinda-recife

Foto de Olinda, e ao fundo, Recife. Foto: olindahoje.com

Recife e Olinda, cidades irmãs que nasceram no período colonial, e que preservam as heranças deixadas pelos portugueses e holandeses.

Recife, a considerada “Veneza brasileira”, tem esse título pela sua paisagem cortada por rios, canais e dezenas de pontes que ligam os bairros. Além disso, tem várias áreas verdes, construções históricas e praias lindas.

Olinda, com belas construções, mirantes e galerias de arte. Sem contar com as famosas ladeiras que ficam lotadas de foliões e bonecos de Olinda no carnaval. E ver o pôr-do-sol do mirante do Alto da Sé? Oh-linda!

Aproveitando que ontem, dia 12 de março, foi o dia em que Recife e Olinda completaram mais um ano de história, 479 anos e 481 anos, respectivamente, o Profissão Viajar resolveu fazer uma lista de 4 lugares, de cada uma delas, que você não pode deixar de conhecer quando for nessas cidades que tem muito a contar sobre a história do nosso Brasil.

Nesse post vou listar os lugares que você não pode deixar de conhecer em Recife. O próximo post será sobre Olinda.

Gostando do post? Continua lendo, porque Recife tem muita história e cultura! Mas antes, se inscreve na nossa newsletter pra ser notificado em seu email quando o próximo post sobre Olinda estiver no ar, e não perder de conhecer mais um pouco de um dos principais centros históricos do nosso Brasil 🙂


4 lugares que você não pode deixar de conhecer em Recife:

 

1. Praia de Boa Viagem

Arrecifes na Praia de Boa Viagem. Foto: falandodeviagem.com.br

Arrecifes na Praia de Boa Viagem. Foto: falandodeviagem.com.br

Boa Viagem é a praia mais famosa do Recife, situada na zona sul da capital Pernambucana. Bastante movimentada, é comum ver pessoas praticando exercícios físicos no calçadão e banhistas. Com a construção do porto de Suape o ecossistema foi afetado a ponto de fazer com que tubarões procurem comida perto da orla, ocasionando ataques até mesmo fatais. Há várias placas alertando o risco de ataques de tubarões, eu não recomendaria entrar no mar, mas pra quem quiser arriscar, é importante obedecer os limites das placas e tomar alguns cuidados, como evitar o mergulho em horários de maré alta, evitar o mergulho se estiver com sangramentos, não usar objetos brilhantes ao entrar no mar e não se afastar muito da areia, entre outros.

Placas sinalizando perigo de ataques de tubarões, em Boa Viagem. Foto: Wikpedia.org

Placas sinalizando perigo de ataques de tubarões, em Boa Viagem. Foto: Wikpedia.org

A orla de Boa Viagem tem uma extensa faixa de areia com 7km, onde é comum ver vários coqueiros. As águas são mornas e esverdeadas, proporcionando um bom mergulho e uma linda vista. Com as ondas fracas, a praia não tem muitas ondas porque é protegida por um grande arrecife. Quando a maré está baixa, é possível ver várias piscinas naturais, embelezando mais a vista.

Piscina Natural na Orla de Boa Viagem. Foto:

Piscina Natural formada na Orla de Boa Viagem quando a maré está baixa. Foto: vadopraia.com.br

No calçadão há vários quiosques com bebidas, lanches, porções, sorvete, açaí… Ciclovias, pistas de skate e academias ao ar livre além do bicicletário do Itaú, para quem quiser dar um rolê de bike. Aos domingos e feriados, parte da Avenida Boa Viagem é fechada ao trânsito para que as pessoas possam andar de bicicleta, skate, patins, etc.

Calçadão e ciclovia na Orla de Boa Viagem. Foto:

Calçadão e ciclovia na Orla de Boa Viagem. Foto: irmascordeiro.blogspot

Vale muito apena dar uma passada em Boa Viagem, apesar de não ser muito convidativa para tomar banho por causa dos ataques de tubarões, é um lugar agradável para passar a tarde observando as belas paisagens de um dos principais cartões-postais de Recife.

2. Praça do Marco Zero

Praça Rio Branco, onde fica o Marco Zero de Recife. Foto: Thales Paiva

Praça Rio Branco, onde fica o Marco Zero de Recife. Foto: Flickr

A Praça Rio Branco, conhecida como a Praça do Marco Zero, é rodeada por construções históricas, e é onde fica o Marco Zero que é conhecido como local de fundação da cidade do Recife e também como ponto inicial de contagem das distâncias calculadas a partir da cidade.

Olhando para o mar, se vê o Parque das Esculturas: um conjunto de peças de cerâmica produzidas pelo artista plástico Francisco Brennand onde se destaca a Coluna de Cristal, que foi feita em homenagem aos 500 anos do descobrimento do Brasil.

Vista do Parque das Esculturas, da Praça Rio Branco. Foto: Vini Moreira

Vista do Parque das Esculturas, da Praça Rio Branco. Foto: Vini Moreira

Há pouco tempo foi inaugurado o Centro de Artesanato de Pernambuco, que traz peças de mestres artesãos e outros artistas reconhecidos de todo o estado, e a Central do Carnaval, espaço de apoio aos foliões durante a data festiva que no restante do ano funciona como acervo da memória carnavalesca, com restaurantes e serviços ao turista.

A Praça também é palco de várias manifestações culturais, principalmente no carnaval, onde tem vários shows. Quando tive a oportunidade de ir, tinha uma roda de pessoas jogando capoeira.

Roda de Capoeira na Praça do Marco Zero. Foto: Vini Moreira

Roda de Capoeira na Praça do Marco Zero. Foto: Vini Moreira

Ao redor da Praça do Marco Zero, exposições de arte e exibições de filmes estão na programação do Centro Cultural dos Correios (Av. Marquês de Olinda, 262, 3224-5739, terça a sexta, das 9h às 18h, sábado e domingo, das 12h às 18h; grátis), do Santander Cultural (Av. Rio Branco, 23, 3224-1110, terça a domingo, das13h às 20h; grátis) e da Caixa Cultural (Av. Alfredo Lisboa, 505, 3425-1906, terça a domingo, das 12h às 18h; grátis). Dali, barqueiros fazem a travessia (R$ 5, ida e volta) para o Parque das Esculturas de Francisco Brennand nos molhes.

3. Recife Antigo

A Praça do Marco Zero foi citada separadamente do Recife antigo, porque é um lugar que tem bastante coisas a serem exploradas, assim como o restante do Recife Antigo.

Saindo do Marco Zero pela Rua Bom Jesus, você já encontra a Praça do Arsenal da Marinha, que é a praça mais importante do Recife Antigo. Ela abriga o busto do Almirante de Tamandaré, considerado patrono da Marinha Brasileira. Seu nome verdadeiro, Praça Arthur Oscar, foi dado em homenagem ao general que comandou a quarta e última expedição contra o Arraial de Canudos. Depois da revitalização do Recife Antigo da década de 1990, o local passou a ser ponto de encontro, centro de diversão para as famílias.

Torre Malakoff. Foto: hoteisrecife

Torre Malakoff. Foto: hoteisrecife

Seu principal atrativo, entretanto, é a Torre Malakoff, construída na década de 1850 e que, hoje, funciona como espaço cultural. Mas também não deixe de visitar o Museu a Céu Aberto, perto dali. É uma construção composta de vidro e granito que protege o solo escavado. Amparada por um muro de arrimo, traz ainda um painel explicativo sobre os achados arqueológicos do local. Segundo os pesquisadores, os fragmentos encontrados são de cinco séculos atrás, dos períodos da colonização portuguesa e da invasão holandesa.

Museu do Céu Aberto

Museu do Céu Aberto. Foto: Flickr

A famosa Rua do Bom Jesus foi chamada por muito tempo de Rua dos Judeus devido ao fato de que durante o governo do Conde Maurício de Nassau houve uma abertura a práticas religiosas diversas, incluindo a judaica. Por conta dessa medida, famílias de judeus se instalaram no Recife, fundando, inclusive, o que hoje se chama a primeira sinagoga oficial das Américas. A Kahal Zur Israel está aberta ao público todos os dias, exceto aos sábados, cobrando R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia-entrada) pela visitação.

Sinagoga Kahal Zur Israel, no Recife Antigo. Foto: Flickr

Sinagoga Kahal Zur Israel, no Recife Antigo. Foto: Flickr

Na Praça do Arsenal, também tem o Paço do Frevo que é um espaço dedicado à difusão, pesquisa, lazer e formação nas áreas da dança e música do frevo. Celebra os personagens, os músicos, passistas, as costureiras e as agremiações, mostrando a história e a tradição do frevo. Ele funciona de terças a sextas, das 9h às 17h; sábados e domingos, das 14h às 18h; Fechado às segundas. A entrada é R$ 8,00 (INTEIRA) e R$ 4,00 (meia) e é gratuito às terças-feiras.

Apresentação no Paço do Frevo. Foto: cultura.pe.gov.br

Apresentação no Paço do Frevo. Foto: cultura.pe.gov.br

O Recife Antigo é um lugar que precisa ir com bastante tempo, por conta dos inúmeros pontos turísticos lá localizados. Citei só alguns deles para não ficar muito extenso. Falarei com mais calma sobre em outro post.

4. Instituto Ricardo Brennand

O instituto está sediado em um complexo arquitetônico em estilo medieval, composto por três prédios: Museu Castelo São João, Pinacoteca e Galeria, circundados por um vasto parque, localizado no bairro da Várzea.

Cercando o complexo, há um vasto parque com uma área de 18 mil hectares, dotado de lagos artificiais e esculturas em grande escala.

Um dos lagos do Instituto Ricardo Brennand. Foto: Priscila Araújo

Um dos lagos do Instituto Ricardo Brennand. Foto: Priscila Araújo

No seu interior estão guardados tesouros como esculturas, tapeçarias e móveis, além de pinturas, mapas e moedas relativas ao período da invasão holandesa em Pernambuco. Em um museu estão reunidas armaduras da Europa medieval e cerca de três mil armas brancas – facas e canivetes – fabricadas em diversas partes do mundo.

Armadura do tempo medieval. Foto: Priscila Araújo

Armadura da Europa Medieval. Foto: Priscila Araújo

 

 

 

Armas Brancas. Foto:

Armas Brancas. Foto: Priscila Araújo

O instituto, criado em 2002 pelo colecionador Ricardo Brennand, é a materialização de um sonho excêntrico do colecionador.

O horário de funcionamento é de terça a domingo, das 13:00 às 17:00 h. A entrada é R$ 15,00 (inteira) e R$ 5,00 (Estudantes, Professores e Idosos acima de 60 anos com documentação comprobatória). Crianças até 7 anos não paga.

Fontes: Pernambuco.com, TripAdvisor, michelechristine.wordpress.com
Recife é uma cidade muito rica de belezas e de cultura, fora que as pessoas de lá costumam ser muito simpáticas e acolhedoras. O que foi citado acima não é nem a metade do que tem pra conhecer lá. Pra quem gosta de história e cultura, é um prato cheio.

Só uma última dica: Não deixe de experimentar o famoso Bolo de Rolo, bolo típico com a massa enrolada em camadas de goiabada derretida, dando a aparência de um rocambole.

Meu muito obrigada aos meus amigos Recifenses por me ajudarem a escolher os principais lugares que já conquistam e contam muita coisa sobre Recife.

 


Gostou? Fique ligado nas nossas redes sociais e se inscreva na nossa newsletter para receber as atualizações em primeira mão. Logo abaixo tem os links das redes sociais e o formulário para inscrever seu email em nossa newsletter. 🙂

Siga o Profissão Viajar nas redes sociais para ficar atualizado e se inspirar mais nessa profissão dos sonhos: Facebook, Twitter e Instagram.



The following two tabs change content below.

Priscila Araújo

26 primaveras, formada em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, trabalha com Testes de Software. Almeja um estilo de vida mais leve para conseguir viajar com mais frequência, adora compartilhar suas experiências em viagens e música é quase oxigênio. ♥
  • Luiz Santiago

    Ja fui na feirinha de artesanato e é bem legal, tem um restaurante perto chamado chica pitanga mto bom

  • Dayane

    Cara KILIMDO!! Deu muita vontade ir, menos na praia de Boa Viagem, morro de medo de tubarão!! kkkkk Na verdade acho que aproveitaria a paisagem mas entrar no mar de lá, JAMAIS!!

    Tá muito 10!! Continua assim! Daqui pra melhor! #natorcida

  • Carolina Emery

    Recife ❤️